Translate

Videos

Loading...

domingo, 23 de dezembro de 2012

Zé de janeiro a dezembro (FELIZ NATAL)



Ai mio Deus , qui diaxo esse anu já acabo!!!!!

Mais presta atenção, muita coisa aconteceu .

Intão orça cum atenção, essa prosa vai demora.

Só qui oiá , invés de fazer arfabeto, vou falar

Dus mês do ano...



Primero vamu fala di Janero.

Inda nem tinha mi curado da ressaca das festança

di fim di ano, quandu Rosinha veio mi procura . Ela

quiria ajunta us panus , dividi o ranchinho comigo.

Pensei purque não, afinal pricisava di arguém,

pra cua café , curta unha e tira bicho di pé.

Intaum marcamu pra se ajunta em fevereiro.


Ixe feverero logu nu comecinho do mês , me ajuntei.

Rosinha troce da casinha dela , a ropa, as panelas,

a inxada, o cheiroso(porquinho dela), i a sogra veiu junto.

Me danei ...Diaxo! Num vo pode pesca mais no riacho.

I pior , a véia acha que vai mi separa da cachaça!

Mi lasquei! Mas vamo a marçu.



Marçu ,, era um meis bão pra eu,

afinar era época de fartura no rio.

Pescava todo dia, mas agora a sogra fica na minha oreia .

Que tenho que trabaia, que coisa feia!

Nossa !Num posso nem tuma cachaça .

I rosinha então ta mais doce do que nunca ,

pena ki com ela veio o Kramuião...

Afinar num sei si sogra é benção ou castigo...

Afinar abriguei em casa um inimigo...mas vamo a Abrir



Abrir, Minha doci Rosinha tão quiridinha,

cumeço a ficar gordinha, mas num comi nada, ta injoada.

E minha sogra pareci chulé num larga do meu pé,

ocê credita qui a mardita num dexa eu nem chega perto da cachaça ,ki disgraça!



Maio , Prantei bastante mio , cana , e escorreguei na lama ,

mi lasquei, mais Rosinha cuntinua ficandu gordinha ...

E a véia cismada, continua cumigo mar incarrada ,

mais uma coisa já fiz sai di madrugada ,

falu qui vo trabaia, mais já levo linha i cachaça i vo pesca.



Junho: Bolo di milho , pamonha, doce di abobra ,eita trem bom!

A quermesse da cidadi , festão ,mas perdi , fiquie im casa ,Rosinha quem diria , resorveu cume .

Mas poxa tinha qui ser melancia cum pimenta ,

mandioca com cerveja , i jambu com farinha!

Mas agora num é época di jambo...E tudo isso no meio da noite.

I pra piora a minha sogra usou toda cachaça pra acende o lampião...

Uai !Rosinha ta comendo iguar disperada,

ta ficando gordinha , será ki é muita farinha?



Julhu: Rosinha tava mais gordinha,

e a veia num largava du meu pé,

dizendo qui tinha que trabaia,

pra cumpra mais coisa

pra casa. Mias puxa tinha tudo lá ,

cumida , meia dúzia di galinha,

uma vaca leitera das boas,

mas rosinha insistia im cumpra pano,

faze bordado , i eu quis leva ela num dotor la da cidade.

Afinar du jeito que ela tava engordando...

Pudia se barriga d'água, mas di novo a véia num deixo....

Disse ki da filha dela cuidava ela , e mais uma noite sem durmi,

afinar rosinha invento di cume canjiquinha com limão.

Na manhã seguinte nem cunsigui pesca,

quandu fui a tarde ver as traia, robaru minha cachaça...

Iii pior a dias num durmo e na grama cumigo

Rosinha nunca mais rolava, i muito pior que bichu de pé

era a sogra que di mim nunca disgrudava.

Meu deus ki foi que fiz!!!Casei i mi lasquei...



Agostu...rearmente disisti, dexo tudo agostu di Deus.

Rosinha tadinha ta uma bolinha, outro dia cumeu arface nu pé,

achu qui a tadinha ta cum barriga d’água e lumbriga.

Mais a véia num dexa leva ela no dotor... Num rolo mais na grama,

i minha cachaça tenho ki isconde, só mi resta o cabo da inxada .

Num consigo mais pesca,

purque minha Rosinha á noite só que sabe di cume,

mais poxa só pede coisa isquita .

Outro dia tivi que sai di noite pra caça, purque ela kiria cuelho,

mais o bichinho ligeiro...Me lasquei ,

inda bem que lembrei do cumpadre ai cumprei...



Setembru , Prantei ,feijão, arface e agrião .

I Rosinha tava mais pra Rosão...foi quando tive a revelação ...

Ela mi disse que Deus a união abençou , i mandou compra frada e berçu.

Ixe !! Será ki mereçu, fiquei feliz,mas dispois intrei im disispero.

Adeus riberão, adeus kermece ,adeus rasta pé.

I agora a sogra vai piorar....vixe maria , vou cum cumpradre Gardenço.

Mi acunseia...



Ortubru.... Minha sogra fez eu prumete num bebe mais .

A nuticia da barriga di Rosinha si espaio .

E os compadres e comadres vieram nos visita.

Truceram frardas, tarco ,arfinete ,

galinhas i uma cabrita, tumem ganhei um berço.

Mas cumpadre Genésio foi além, mi trouxe dois litro da mio cachaça ,

pra comemora, foi quando lembrei di minha promessa....ai falei..

-O promessa mardita, o promessa sem jeito...!

Enfim num guentei e cum cumpadre bebi.....



Novembro....Mes bão que que a pomba nu sertão pia,

qui se for no mato ta cheio di cutia, i eu parei i pensei :

Quando ajuntei só quiria arguém pra cua café, matar bichu de pé.

I agora quem diria meu ranchu ta cheio di frarda,

berço ao ladu da cama, ii rosinha só comi, dormi ,

e na grama num rola nada...

Pra mim só sobro o cabo da inxada, num tenho mais traia.

I a Dona Urtiga( viu ki carinhoso u pelido que dei pra minha sogra) ,grudada num pé iguar chulé..



Dezembro: Vixe maria ....na vila ia ter festão...mas tinha qui trabaia,

pranta , e minha sogra mi mando pesca ...estranhei.

A veia até mi deu uma garrafa di cachaça, e disse pra mim demora,

vi arguns panos e borsas feitas , foi quando pensei mi lasquei!

Acho que elas vão embora, mi disisperei ,

afinar ela mesmo gordinha era minha Rosinha.

Ai ki da bera du rio risorvi vorta , quando em casa chequei mi dismachei....

Mi sinti um Zé Ruela, afinar minha fia nasceu....

O diacho é qui a Dona Urtiga deu um nomi americano pra ela:

Ysmim , eu sei lá como se diz isso....e novamente mi lasquei.

Pois na na minha casa começou a romaria , é festa , visitas da prima e da tia ,todo mundo apareceu.

Só ocê que não...isso mermo ocê ai lendo meu relato purque num apareceu?

Mesmu assim lhe desejo um feliz natar e tudo di bão nu ano ki vem!!

Su Aquino e Ricardo Vichinsky

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

ALADOS




Noite adentro na escura madrugada
Alados Seres sobre o mundo abrem as asas
Senhores do infinito de suas letras
No seu mágico mundo de sonhos



Alados e notívagos,
Poeta e poetisa,

Escrevem com motivos,
Ele duvida; ela preconiza.



Voam em suas letras
No seu mundo de incertezas
Amores, dores
Transformadas em beleza

Versos amalgamados
Em sublimes inspirações,
Tantos leitores encantados,
Poeta e Poetisa Alados, sensações...