Translate

Videos

Loading...

terça-feira, 15 de agosto de 2017

O momento certo



Nascemos interligados aos nossos familiares. 
Tantas lembranças boas, tantos lugares peculiares... 

Como um quebra cabeça com todas as peças encaixadas.
Nos acostumamos a conviver com suas presenças,
 a conhecer suas essências.
Sabendo que somos parte de um todo que nos liga 
pelo sangue por fios espirituais invisíveis.
Um momento, num deslize... 
uma leve brisa se torna uma tempestade; 
uma situação que surge contra a nossa vontade
Dias, anos,tempo...
Nada pode quebrar esse fio .Adormecer sim.Quebrar jamais.
E vamos nos ligando a outros que encontramos pelo caminho.
Outros fios vão nos ligando.
Anos a fio essa ligação desde o cordão umbilical 
um dia fica teso e se rompe de forma radical
Por mais que tentemos a separação é abrupta, 
uma dor sem igual
Aceitação não existe , 
o que resta é acostumar com a falta de quem queremos bem
Acostumados a acreditar, 
só nos resta esperar um encontro em outro lugar.
Enquanto um fica, o outro vai mais cedo para o bom caminho continuar a nos guiar
Sentimos a necessidade de manter o quebra cabeça da vida.
Até o dia que seremos mais uma peça retirada
Nunca estamos realmente prontos para deixar cerrar 
o véu dessa existência
Deixamos aos prantos querendo 
ficar ou deixar aqui nossa essência
E outras peças vão sendo encaixadas, novas configurações vão sendo arquitetadas...
 nunca seremos insubstituíveis 
mas podemos deixar sementes incríveis
Falar eu te amo sempre é importante, devemos sempre insistir... 
Pois no próximo instante podemos simplesmente 
deixar de existir.

Sueli Aquino e Adilton Gomes Silveira

sábado, 29 de julho de 2017

Olho-te




A poesia inspira, respira, transpira...
Junção do ontem e do amanha
O hoje se transforma em um instante.
A coroa que te envolve, açoitada pelo tempo, te ilumina
Prateados cabelos brilham, derramando no caminho dos meus dedos.
Noite, dia, poesia...
Cavalgando as nuvens, vencendo o obstáculos das estrelas.
Caminho, descaminho ...
Ecoam no universo pensamentos
Lembranças gritam num murmúrio...
Dança o coração no ritmo dessa emoção
A razão ordena a calma, a reflexão
Grita a emoção para o Tempo.

Adormeça nesse momento para nunca mais acordar.

domingo, 9 de outubro de 2016

Estrada longa







Estrada longa
Recordações
Saudades
Olhares para o passado
Estrada longa
Chuva
Frio
Sol
Estrada longa
Companhia
Solidão
Ilusão
Estrada longa
Viajantes
Romeiros
Caminheiros
Estrada longa
Cruzes
Jardins
Despedidas
Estrada longa
Sorrisos
Lagrimas

Recomeços
Estrada longa
Finita
Chegada
Partida
Su Aquino


 

sábado, 18 de junho de 2016

ASSÉDIO MORAL





Antes de começar já é planejado;
   Sobre calunias bem alicerçado;
    Sobre palavras com venenos temperadas;
     Ética nem no dicionário é apresentada ;
      Dia e noite bem planejadas;
        Imune aos limites e ao respeito;
          Onde fica o tal caráter ?


     Mesmo podendo a si mesmo se envenenar;
         Onde não sobra tempo para de sua vida cuidar ;
             Relembrando a Constituição no seu artigo 3º;
                A pessoa escolhida (por você) tem direito de defesa;
                  Limites ultrapassados é direto de defesa consolidado.
                                       
                                 Su Aquino

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

A Pequena Sophie - Marcela Re Ribeiro


A Pequena Sophie

Li e reli. Viajei no Mundo encantado de Sophie criado pela minha talentosa amiga Marcela Re Ribeiro. Recomendo a viagem onde o encantamento de um conto de fada se mistura com a realidade e transforma vidas agindo no social. Nos despertando para o fato que um pequeno gesto para transformar o mundo ,encarado como um gota de água no oceano,pode fazer toda a diferença e modificar a realidade.Parabéns Marcela Re Ribeiro. Su Aquino

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Confissão





A orquestra de lembranças invade o espaço da cama.
O cheiro dos lençóis não consegue impedir o perfume que acompanha a melodia.
O poeta rola e ignora procurando enganar a si mesmo.
Madrugada avança e o sono já se despediu.
Bem sabe o poeta que quando a Pena chama deve obedecer.
Tão dolorido tecer versos quando tudo o que se deseja é esquecer...
Não consegue ignorar o som da orquestra e o perfume da melodia.
Todo o seu Ser se entrega ao ritmo da melodia.
Nesse rodopiar pode enganar o tempo, pisar na lua.
Acompanhar o encantamento de um sorriso...
Luta os lobos no interior do Ser, uivando em desespero para a lua.
Tão desejada e tão inaccessível.
Razão e emoção dentro do poeta que deseja ignorar os versos e não consegue.
Escravo da Senhora Pena. Dono de versos tão incertos.Exposto na sua nudez de sentimentos.
Rodopia o coração. Rodopia os desejos que fazem parte dessa ilusão .
Enfrentam-se os lobos. E a madrugada avança.
Nessa sina segue o poeta cheio de dores e amores.
E a orquestra? Sempre presente a embalar sua insônia.